Desastre

Você pode caminhar com ele
Ficar de mãos dadas
Beijar, abraçar forte
Dizer que o ama…

O olhar entrega tudo
E quando fito o teu
Tiro a certeza
De que você não me engana.

Você pode sorrir
Fazer a cara que quiser
Ser a protagonista
E roubar a cena

Se você me encontrar
Esteja onde estiver
Vai me olhar daquele jeito
Que só te condena.

Eu sei que você finge
Mas eu finjo que não sei
Você nem desconfia
Que eu já captei!

Você faz o que gosta
Mas não com quem queria
E então sobrevive
Nessa dramaturgia

Desesperadamente
Assume um disfarce
Pra esquecer que a sua vida
Se tornou um desastre.

PC

COMPARTILHAR
Paulo Cesar

Repórter, poeta, cronista, amante de música, literatura, futebol e jornalismo.